14.7.09

saudade.

ele esperava.
nunca chegava no horário, mas hoje tinha conseguido ser pontual.
a impaciência - pontuada por passos curtos daqui pra lá - era efeito da pontualidade dela, que sempre chegara antes dele.
ela chegou, olhando-o com uma expressão de desculpas, com o mesmo andar sereno de todas as vezes.
- oi. e aí? - ele disse.
- tudo bem. e aí? - respondeu ela.
ele abriu um sorriso e disse: - aí.
(...)


(eu vivo tão sozinho de... saudade.)

9 comentários:

Karla Marrocos disse...

ai gracinha (-)
aposto que o cenário era o safra. não?

Carlos Howes disse...

O silência às vezes é mais mortal que muitas palavras...

Cami. disse...

Saudade. Uma vez quiz escrever um livro em torno dessa palavra ;)


beijos

Jaya disse...

Saudade.

M. Valeriano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
M.Valeriano disse...

impossível descrever saudade, certas coisas só se sentem.

Laura Bourdiel disse...

Saudade...quem nunca leu essa palavra e pensou em poesia?

Lindo texto!

¡besitos!

Katrina disse...

saudade não deixa de ser má companhia

Marta Pinheiro disse...

ela sempre chega antes de mim também! HAHAHAHA! grande karla pontualidade inglesa!